<$BlogRSDUrl$>

sábado, junho 28, 2003

NOTICIA DO DIA II 

Parece que afinal tambem no Alvalade XXI, há um problema! Neste caso os engenheiros acharam que os sportinguistas iriam ter saudades dos problemas da antiga pala, e resolveram construir uma pala inteirinha que está tão baixa que causa claustrofobia aos socios que nela se abrigam, mas provoca também um ruído insurdecedor no relvado. Ora está bom de ver que o Fernando Santos virá assistir a todos os jogos debaixo desta pala, porque a tecnologia é tão boa que ele nem precisa gritar para os jogadores o ouvirem!

O problema serão as transmissões televisivas, porque agora o meu léxico de nomes a chamar ao individuo de preto vai aumentar, uma vez que os consigo ouvir todos directamente da dita pala.

E aos engenheiros vou chamar o quê?

NOTICIA DO DIA 

Descobriram que as ultimas tres linhas de acento do novo Estadio da Luz nao podem levar adeptos, sob pena de algum partir a tola nas vigas! A minha solucao e sentem-se la os anoes, ou entao vendam capacetes de protecao juntamente com os bilhetes para aquelas zonas do estadio. Estadio esse que ficou agora com menos 3000 mil lugares validos.

O Boloni disse que o nosso futebol era do Terceiro Mundo, e entao os nossos engenheiros...

Uma questão de existência 

Uma questão de existência
Poderia escrever só por escrever. Poderia simplesmente começar por divagar, cruzar o tempo e o espaço, e nada dizer. Seria um momento de reflexão irracional, ou não, em que o curto ser seria longo. Aqui estou, sem dizer nada que se encaixe, num momento de loucura tresloucada, abrindo o meu eu, sorrindo e rindo, em palavras soltas de alegria, em delirantes momentos de tristeza. Serei de facto um louco, ou apenas um simples transeunte, errando por caminhos misteriosos e desérticos. A vida tem destas coisas. Momentos que nos permitem delirar sem que ninguém nos foda a cabeça. Sem que ninguém nos diga que estamos errados, porque para assim acontecer, é necessário que o nosso interlocutor seja o sapientíssimo ser do planeta, caso contrário, nunca ninguém tem razão, apenas vagas ideias de um conjunto que completa o objecto em análise. A pior hipocrisia de um ser racional (será?), é a de se julgar sabedor indiscutível de um tema do seu agrado, violando as regras da humildade, e a razão de sermos humanos, no verdadeiro sentido da palavra. Será uma virtude, isto da humildade....ou apenas uma mais valia? É certo que os conteúdos se completam em cada momento de um diálogo......mas é necessário que estes existam, e não apenas monólogos enfadonhos, que nos fazem abrir a boca nove vezes seguidas, acender três cigarros no espaço de meia hora, encomendar um novo café ao “bartender” ou olhar para o relógio e, exclamando, dizer a hora em que nos encontramos. Curiosamente, por vezes dou comigo no lado que crítico, inocentemente é certo, mas também manipulador de diálogos, mas em parte por conivência dos companheiros da tertúlia, ou não fossemos nós todos iguais uns aos outros. Afinal de contas somos todos seres humanos, provenientes de um mesmo princípio, sejamos brancos, vermelhos ou pretos, católicos, muçulmanos ou ateus. É tudo um princípio de natureza...........e de existência. Tudo se passa porque existimos.......porque permanecemos leais à vida humana, sem tirar nem por aquilo a que estamos destinados, o fim a que pertencemos. Poderia ser ingénuo, e considerar-me perfeito, invocando lucidez total e impunidade racional mas, porque existo, sou mais um ser deambulante como todos os os outros. Somos todos um só......somos a massa produtora e consumidora de um planeta chamado terra, nome pomposo com alguns séculos de existência, que não faria sentido sem a nossa existência e permanência, independentemente se alguns mais o estragam, mais consomem, mais produzem ou mais se estão “borrifando” para ele. É apenas uma questão de práticas, de formas de estar nesta sociedade manipulada (ou manipuladora?) em que nos encontramos. Será um problema de irracionalidade, ou de um racionalismo mal usado? Serei apenas mais um louco, ou será que acredito no mundo perfeito? Afinal, o que é a perfeição.....será que existe? Curiosamente será um bom tema para tertúlia, num café de aldeia, daqueles em que todos se conhecem, e sabem que ontem aquela hora não foste ao café, tornando isso uma disfunção no teu quotidiano, criando alaridos e mal dizeres por vezes incómodos, sem que ninguém se preocupe com a tua privacidade........mas afinal não é este um dos pequenos prazeres da vida??????????? Sabermos que a qualquer momento se lembram de nós, seja porque razão for..........mal ou bem. Afinal, tudo acontece porque existimos!
- por Tiago Marques

Obrigado amigo Tiago

Desejo 

Desejo que toda esta confusão e mediatização sobre os blogs acabe depressa. Estou farto de ler sobre o PRD, o MEC, o JPP, enfim... que voltem todos a escrever que é o que tão bem sabem fazer.

Começo a ter a ideia de que ter um blog é como ter um animal de estimação, é preciso tratá-lo e alimentá-lo com posts.

Desculpem lá o counter no blog, mas foi só para ver se funciona e como é que se coloca.

Segurança Social a nova utopia 

Resolvi aceitar o convite de ir a São Martinho beber café com os meus pais. Conversa banal, até se encontrar outros casais, e aí o assunto é só um: "Epá já te reformaste? Quando tempo te falta? A Lei IX só dá para eu me reformar aos 62 pá." A tal Lei IX é a bíblia dos que sonham com a reforma, e eu a pensar que já não vou ter reforma nenhuma, porque os iluminados resolveram falir esta novidade do pós 2ª Guerra - é a utopia de quem tem 25 aninhos.

sexta-feira, junho 27, 2003

E pronto 

O rapaz insiste e eu ponho:

- o Miguel Leal queria ver o seu nome num blog, cá está. Dorme bem

Humor 

O meu tipo de humor é o seguinte:

"como diria o esquartejador, vamos por partes"

Quem é o Pipi? 

O macrocollum sabe em primeira mão que o Pipi é Pedro Rolo Duarte, depois de ouvir jazz gravado numa cave de Nova Iorque.

Va para o estrageiro ca dentro 

O dinheiro nao abunda, e como o tempo e de tanga la rumo eu ao estrangeiro quentinho que e o Algarve. O tempo convida a tanga, mas e demasiado abichanado para mim, prefiro os meus calcoes que me dao ar de novo rico, ou pelo menos rico de crise. Escolhi um apartamento T1 na Praia da Rocha, com uma vista deslumbrante para outro arranha-ceus, so com dois andares a mais que o meu, isto e, 23 andares. Assim que cheguei percebi porque e que nao tenho direito a que o meu apartamento fique voltado para a praia e para a piscina do hotel - sou portugues, trago euros, mas poucos. Instalei-me na piscina, observei o meu mundo para os proximos dias, o meu novo era um conjunto de pessoas encarnadas que falavam ingles. Ou melhor, eram irlandeses com muitos euros, com a respectiva tatoo da bandeira irlandesa no braco, acompanhados de senhoras gordas e de poucas linhas, e criancinhas histericas ruivas e com sardas. Na piscina nao podia entrar, porque alem das criancinhas sardentas, proliferavam boias, golfinhos, tubaroes e demais objectos com ar, que o portugues que gere a loja do hotel destes materiais ja tinha tratado de vender a um preco razoavel. Mais tarde vi um grupo de miudos portugueses ser chamado a atencao porque nao podiam jogar a bola na piscina, como o gigante letreiro o indicava. E claro que quem falasse ingles, com sotaque ou nao, podia levar tudo para dentro da piscina, porque o guarda da piscina nao falava ingles e assim nao advertia para o imcumprimento da regra do nao uso de objectos com ar dentro da piscina. Quem queria uma cama de plastico pagava 1 euro por pessoa, mais um 1 euro pelo chapeu-de-sol, para todo o dia. Como o vento nao parava sossegado, era necessario ter um bom chapeu, e por isso inteirando-me dos problemas sociais e privados do guarda da piscina la consegui levar com o melhor chapeu todos os dias. Escusado sera dizer que em volta da piscina o ambiente era tipo um pub em Dublin a sexta-feira ao fim da tarde, so que aqui os baldes de meio litro de cerveja eram patrocionados pela Sagres.
Nem tudo foi mau:
- salvei um individuo com 1,90m de morrer afogado na piscina, apesar de a agua na altura do salvamento so lhe estivesse pelo peito. Numa atitude de grande fe apos o susto o Sr. olhou para o ceu (onde via o meu apartamento claro esta) e disse: Jesus Cristo!!! Depois quis pagar o meus prestimos de Mitch das Mares Vivas com um balde de Sagres.
- iniciei-me no fantastico mundo das tatuagens, temporarias como manda o figurino. Ostento agora no musculo do braco direito uma tatuagem de um caracter chines que quer dizer... never mind. A dita e pequena porque o musculo tambem nao e grande.

Apos estes cincos dias, onde pude praticar o meu ingles, passados entre a piscina de uma torre e esse centro comercial ao ar livre que e a Praia da Rocha by night, tenho que agradecer:

- ao DNA de sabado passado, e ao Publico de 2ªfeira que me iniciaram neste papel de grande formato que e o meu blog.
- a esse grande tijolo de construcao que e O Idiota de Dostoievsky, grande amigo nas horas de calor.
- e a Marta que eu espero preservar ate ao fim dos tempos, e que aturou o meu mau humor matinal.

POST SEGUNDO TESTE 

E não é que funciona mesmo!?!?!
Um blog tem um formato A1, A2, A3, ou.... não sei, é grande.

POST PRIMEIRO TESTE 

Agora já tenho papel em grande formato para o mundo me ouvir.

Pode ser que o JPP (pacheco pereira para os amigos) repare em mim, fale de mim, e pronto lá estou eu no estrelato da blogosfera. Agora que penso nisso vou mandar um mail ao PRD (pedro rolo duarte para a redacção e auditório de amantes-de-colunas-que-ninguém-tem-dinheiro-para-comprar), e ele diz mal de mim no próximo editorial, e quem sabe não publica uma foto minha com uma daquelas colunas da feira de colunas de Frankfurt, e pronto já sou famoso, não só na blogosfera, mas também em Lisboa, Sintra, Amadora, Damaia, Madragoa, Alfama, Paio Pires, Entroncamento e Cuba (no Alentejo) que são provavelmente os únicos locais onde se lê a fantástica reportagem sobre as-colunas-que-ninguém-tem-dinheiro-para-comprar em exposição em Frankfurt.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?